Abandonamos o filho mais velho, quando nasce um bebê?

20.04.2017

       Minha filha mais velha tirou essa foto essa semana, e quando olhei, percebi nela o retrato perfeito de como tenho me sentido em relação aos meus outros filhos depois que meu bebê nasceu!

       Na foto, enquanto eu amamentava o bebê, o ex-caçula, deitado na almofada de amamentação, no chão, repetia brincando: “sou neném”, fazendo cara de luxinho e segurando meu pé...

       Como eu me sinto? Sinto que, nesse momento, apesar de todo amor, muito pouco sobra de mim para meus outros filhos!

       Muitas vezes todo mundo se preocupa em como vai ser a reação do filho mais velho, como ele vai se sentir quando o irmão mais novo chegar... Mas... e como a mãe se sente? Como a gente se sente em relação aos filhos mais velhos nesse momento, quando chega o filho mais novo?

        Não tem como negar: nossa relação com o bebê que acabou de nascer é visceral! A vontade é de não largar, de estar toda e completamente disponível para aquele ser. Nosso peito, nosso sono, nossa atenção está voltada para ele. Sabe aquela sensação de quando estamos perdidamente apaixonados e só pensamos nisso? Pois é! Relação e mãe com recém-nascido é meio assim! E aí, como não abandonar um pouco o(s) outro(s) filho(s)?

       A sensação por aqui? Sim, de abandono! De abandono dos outros filhos, em especial do ex-caçula!

       A diferença de idade aqui é de dois anos. Ou seja, quando engravidei, o meu então caçula estava com 1 ano e 3 meses. Ele ainda era bem bebê! Eu ainda o amamentava! Confesso: apesar de achar ótimo o marido fazer tudo, perceber que não é mais mamãe que ele chama, causa um sentimento de estranhamento! Perceber que, muitas vezes, a mudança da relação faz com que ele prefira o pai, também!

      Marido me reprime! Manda eu agradecer o papai servir! Sim, claro, eu agradeço! Mas choro também!

      Choro o bebê que cresceu enquanto eu gerava outro. O peito, o colo, que agora na maior parte do tempo não são mais desse filho que cresceu! E me espanto... com o tanto que ele cresceu! Dizem por aí: quando um novo filho nasce, o outro cresce! E como cresce! Parece que de repente temos outra criança, do dia pra noite! E isso é assustador!

      E sabe o que mais assusta? Que apesar de querer dar mais atenção, ter mais ânimo pra brincar, voltar a fazer as coisas que fazia antes da família aumentar, a questão é que parece que a relação é outra! Quero ser a mãe de antes, mas intimamente quero ser completamente desse novo ser que chegou!

      Super acho que um irmão é um presente (Dividir ou Compartilhar?!)!

      Os meninos? Estão todos adorando ter mais um irmão!!!

      Mas ainda assim, eu sinto... Sinto a alegria de uma família que cresce, mas sinto muito pela mãe que nunca mais vou ser! A mãe de três, agora, é mãe de mais um!

      E assim caminha a maternidade... com todas as contradições e aprendizagem que ela nos traz...

 

 

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now