Difícil de entender, quanta coisa um novo ser pode trazer!

       E depois de um longo e não tão tenebroso inverno estamos de volta... Me sentindo aqui uma mãe desnaturada com esse site! Muitos posts tem ficado para trás... desmame, viagens, perrengues, alegrias... Quem sabe alguns deles possam contar com um depoimento tardio...?!

       E... de repente, já estamos no segundo trimestre de gestação!

       Não, não sumimos “só” pela falta de tempo! 

       A verdade é que hibernei mesmo, geral nesses três primeiros meses!

      Tava pensando nisso com a relação com as estações... de um bebê concebido em pleno comecinho de inverno... que só agora, com o começo da primavera tem começado a desabrochar no meu coração!

      Isso me causa estranhamento, mas é verdade! Nesses três primeiros meses, me fechei, em mim, tão em mim que quase (esse quase é só pra atenuar o peso na consciência tá?! rss...) me esqueci que estava grávida!

      Engraçado porque a idealização do processo era bem diferente! Eu, que adoro ficar grávida, pensava: vai ser a última, quero curtir, aproveitar intensamente cada segundo!

      Sim, a notícia da gravidez foi sentida de uma forma diferente! Mais legal!!! Confesso, foi a única vez que ao pegar o resultado positivo não me deu dor de barriga! Sim, porque das outras vezes, apesar da certeza e do planejamento para a chegada de um novo bebê por aqui, confirmar que ele estava a caminho me deu um certo pânico inicial! Dessa vez, ironicamente, mesmo sendo o quarto filho, não! Meu coração desejava tanto completar a família que o sentimento desde o princípio foi apenas de gratidão! Não pensei nem questionei internamente em momento nenhum a “loucura” ou “coragem” que tantos mencionam quando contamos que esperamos o nosso quarto filho! Pra mim desde o primeiro instante estava sendo como devia ser! Sabe aquela sensação de coerência interna? De que tudo está certinho daquele jeito?!

        Pois é! Mas logo em seguida não sei o que aconteceu! Me perdi aqui dentro de mim mesma, com esse novo ser que chega! Me desconectei geral, num processo de estranhamento tão grande que não sei explicar!

       E saí pra comprar alguma roupa de gestante, e entrei na yoga pra grávida, e nada... Nada me convencia dessa gravidez!

       Fiquei pensando se era medo... De empolgar e alguma coisa "errada" acontecer nesse começo!? Acho que não!

       Sei lá o que houve! Mas o encantamento inicial passou, a empolgação sumiu, e com ela parte da alegria!  Acho que foi quase um processo de depressão de início de gravidez mesmo! Será que tem alguma teoria que explique isso? Não sei! Se alguém souber...

        Racionalmente, pensando que é o quarto filho, fico aqui me julgando: FRESCURA! Será?

       Outras horas fico tentando entender se o processo é meu, ou dele (bebê), ou será de nós dois!?

      Tanta confusão interna que nada conseguia sair da cabeça para vir parar aqui no blog. Nada fluía... Uma amiga cobrou, outra também (obrigada!)... Cheguei a sentar no computador algumas vezes para escrever... Nadica! Então decidi esperar...

       E chegou a primavera.. e, o que mudou?!

       Uma dança, um sorriso, uma flor! A conexão começou a ser estabelecida. Ainda não tá do jeito idealizado não (essa história de idealizar as coisas é mesmo uma m... né?!), mas estou respeitando meu tempo...  E logo volto pra compartilhar tudo com vocês!

       Difícil de entender quanta coisa um novo ser pode trazer!  

       Até breve!

 

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now