O que é “feio”?!

       

 

        Todo mundo que tem filho pequeno sabe, que vez ou outra, eles nos colocam em situações embaraçosas. Sim, crianças soltam comentários indiscretos, muitas vezes na maior inocência, e em alto (BEM ALTO) e bom tom!  E como lidar com isso?!

        Tem situações que com o tempo aprendemos a tirar de letra... A primeira vez, que no meio de um monte de gente, nosso filho solta um pum bem alto, ou diz: “mamãe eu quero cocô”, a gente pode até se sentir desconfortável, mas quando isso acontece pela milésima vez, a gente (quase) nem liga mais!

         Ao mesmo tempo, vamos aprendendo a condicionar o nossos pequenos dentro do que é considerado educado: “meu filho, não precisa contar o que você vai fazer no banheiro!” Rsss... e acho inclusive, que muitas vezes, até exageramos... Afinal, ele quer fazer é cocô mesmo,  então, qual é o problema? Todo mundo faz cocô!

         E tem um monte de situações desse tipo...

         Quando engravidei pela terceira vez, a mais velha, já maiorzinha, ficou supercuriosa para saber como o bebê ia sair! Expliquei pra ela que alguns bebês eram tirados pela barriga, mas o normal, e mais legal, era quando o bebê saía pela "perereca". Enfim, o assunto rendeu um tantinho a mais que isso, mas o resultado final foi que, a partir daí, ela achou o máximo contar para todo mundo que o irmão ia nascer pela perereca! Sim, mesmo para pessoas estranhas, que puxavam assunto com a gente, ela dizia: “ah, olha, e ele vai nascer pela perereca!” Rsss... Impressionante o quanto isso deixou pelo menos meia dúzia de gente vermelha...  (Inclusive, eu, obviamente... afinal a perereca da qual ela falava era a minha! Rsss...)

        O problema, mesmo, é que vivemos em uma sociedade em que muitas coisas que eram para ser naturais, se tornam  complexas demais... Só eu acho isso?

         E a gente vai aprendendo a não falar, a não se expressar, a se reprimir, porque tem um monte de coisa que a gente aprendeu que “é feio”!

         Dificuldade por aqui de romper com muitas dessas questões, na tentativa de achar o ponto “ideal” entre o que vale a pena de ser ensinado como “adequado socialmente” sem reprimir a liberdade de expressão e curiosidade infantil... Alguém mais?!

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now